NUMEROLOGIA CABALÍSTICA NO SÉCULO 21 – 4ª Parte A ARVORE DA VIDA

A Árvore da Vida é um símbolo sagrado da criação da fecundidade e imortalidade. Ela representa a ligação entre o céu, a terra e o submundo.

Suas folhas crescem em direção ao céu, enquanto o seu tronco relaciona-se com a terra e suas raízes se entranham no submundo.

A Arvore da Vida está presente na maior parte das culturas; para dos assírios é a mais conhecida entre todas as árvores sagradas e está associada à Ishtar; a divindade mais importante na região da Mesopotâmia, a Deusa da fertilidade e da destruição.

Dela se originaram a Árvore da Vida Cabalística, a Árvore dos Babilônios, dos egípcios e da civilização islâmica. É a partir da Arvore da Vida também que se originou a Árvore do Genesis que consta na Bíblia.

Em síntese o ensinamento cabalístico estuda de forma detalhada toda a formação do universo; a Árvore da Vida ou Árvore Cabalística, simboliza toda a estrutura dos mundos e planos; emocional, físico e espiritual.

Um retrato da criação, um diagrama objetivo dos princípios que atuam através do universo e revela o fluxo das forças que emanam do divino até o mais baixo dos mundos.

Nela estão contidas todas as leis que governam o universo, também expressa uma visão completa do homem e sendo o homem é a imagem da criação, acaba tornando-se um reflexo do Criador.

Através da árvore da vida temos uma associação objetiva que nos dá a visão interior e o conhecimento do princípio do paralelismo – dos universos superior e inferior, exterior e interior.

A ARVORE DA VIDA

A Arvore da Vida é composta de dez Sefiras em sucessão, (as dez emanações de Ain Soph na cabala).

Segundo a cabala, Ain Soph é um princípio que permanece não manifesto e é incompreensível à inteligência humana.

Deste princípio emanam os Sefirot em sucessão, numerados de 1 a 10, que segundo Charles Fielding, representam estágios no desenvolvimento das coisas, particularmente a evolução do Universo e da alma.

Há ainda um décimo primeiro Sefira, chamado Daath, que representa o abismo, o caos, e normalmente não é representado na árvore da vida, sendo considerado um portal para as qliphoth, as sephiroth adversas.

Na árvore da vida os Sephiroth estão alinhados em três pilares conectados entre si por meio de vinte e duas ligações ou caminhos. Também se dispõem em três camadas triangulares e sucessivas, cada uma delas associada a um mundo.
  • Atziluth, o Mundo das Emanações;
  • Beriah, o Mundo das Criações;
  • Yetzirah, o Mundo das Formações),
  • Malkuth na base que corresponde a Asiyah, o Mundo das Ações.

O primeiro triangulo, o mais elevado; é formado por Kether, Chokmah e Binah, representa  as raízes da existência.

O segundo triangulo, é formado por Chesed, Geburah e Tipharet, também chamado de triângulo “ético”, retrata o desenvolvimento da “lei e da ordem”.

O terceiro triangulo, é formado por Netzach, Hod e Yesod, representa o desenvolvimento posterior no sentido da manifestação tal como a compreendemos.

Como dito anteriormente árvore da vida representa toda a estrutura dos planos, emocional, físico e espiritual.

Representa tudo aquilo o que existe e entende-la permite compreender o mundo em sua totalidade, o que é fundamental no comportamento para ser tornar um ser humano completo e se ter uma vida expressiva.

Os 10 (dez) Sefiras, podem ser interpretados tanto como estado do todo, do universo, como podem ser lidos como estados de consciência, ou seja:

Podem ser lidos tanto microcosmicamente, pelo ponto de vista do homem, como macrocosmicamente, pelo ponto de vista do universo.

Árvore começa em Kether, que é a centelha divina, a causa primeira de todas as coisas, e desce na árvore tornando-se coisa cada vez mais densa, até chegar em Malchut que representa o mundo físico.

Na próxima aula falaremos sobre os Sephiroth

“SÓ VOCÊ PODE MUDAR SUA VIDA”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *