13 de junho é dia de EXÚ NA UMBANDA.

13 de junho dia de Santo Antônio mas também é de Exú na Umbanda, assim contrário ao de sempre quando faço apenas uma postagem ao dia,  além da postagem de Santo Antônio, Guardião de Exú na Umbanda, não poderia deixar eu de prestar nossa homenagem a Exú, nossos protetores e companheiros leais.

E por que não também desmistificar.

Exú; Orixá africanos que representa a dinâmica e o início de tudo, no Brasil tem vários nomes que se diversificam conforme a regiões do pais onde o Orixá é cultuado.

Eleguá, Elebara, Bara: aquele que habita o corpo, Akesan: exú de ifá, Yangi: exú do início da criação, Onan: o senhor dos caminhos, Exú Tiriri: aquele que tudo vê.

Não tem sincretismo, mas tem como Guardião na Umbanda Santo Antônio.

Contam as lendas que Exú Yangi, participou da criação do mundo, e o primeiro Orixá a chegar a nosso planeta.  Como um mensageiro de Deus, foi incumbido de vir a terra e verificar se esta já poderia ser habitada pelos humanos, acontece que ao chegar na Terra, o Orixá recusou-se a voltar a Orun; o céu, assim foi o primeiro a ser reverenciado nos Cultos, e assim o é até hoje nos Rituais tanto de Umbanda como Candomblé.

Deve-se saber, porém que Umbanda e Candomblé são religiões absolutamente distintas, com muito mais diferenças e controvérsias que semelhanças, seria como comparar o Catolicismo a uma Religião Evangélica.

E como não poderia deixar de ser também controverso é Exú; na Umbanda Exu não é Orixá; já que Orixá é a energia emanada de Zambi, criador de Aruanda e da terra, (Deus), representado aqui na terra através das Forças da Natureza, sendo assim Exú, cuja a forma original é humana, sim humana, não é o Diabo como muitos creem, não tem rabo, chifre, nem são parte animal parte humano, isso é representação alegórica.  Exú e um espirito na escala evolutiva assim como nós, foram um dia quando encarnados; homens ou mulheres normais cada qual com sua atividade humana, justamente por essa semelhança conosco, os Exús, nos transmitem a imagem de companheiros, de amigos leais.

Espíritos de Luz, são eles os guardiões de nossos Terreiros, os responsáveis por manter a ordem vibracional e junto com eles não poderiam deixar de faltar as Pomba Giras, verdadeiros guardiões; são a segurança do terreiro, mantendo fora tanto de seu espaço físico como do etéreo, qualquer tipo de vibração que possa perturbar ou atrapalhar o andamento dos trabalhos, bem como prejudicar seus filhos e frequentadores.

Na Umbanda, os Exus trabalham em busca da evolução na prática do bem, e ao contrário dos mitos que o associam ao Diabo ou Demônio, os Compadres e Comadres (Exú e Pomba Giras) trabalham em resolver assuntos urgentes e imediatos, sem jamais prejudicar ninguém, os que prejudicam não são Exús, são Eguns e Zombeteiros espíritos trevosos que iludem se fazendo passar por Exú.

Assim para encerrar está homenagem nada como uma divertida história de Exú, que também é uma lição.

Dois fazendeiros vizinhos, amigos leais de longa data e que de cuja amizade muito se orgulhavam, certo dia se esqueceram de oferendar Exú.

Se encontravam os dois ao final da tarde no pasto, conversavam através da cerca de sua propriedade como sempre o fizeram, Exú então para pregar-lhes uma peça pelo descuido, para consigo, com um chapéu que de um lado era vermelho e de outro branco, passou pelo caminho por entre eles, ao cruzar pelos amigos que estavam um de cada lado do caminho, cumprimentou-os cordialmente e seguiu a diante.

Intrigados, vendo aquele desconhecido incomum, um deles pergunta ao outro quem seria aquele homem de chapéu vermelho, prontamente o outro amigo responde, que o chapéu não era vermelho e sim branco, assim passaram a discutir sobre a cor do chapéu o que acabou em inimizade.

Vendo assim  Exu parece ser um causador de discórdias, mas na verdade o que ele faz mexer com nosso ego o esquecimento da oferenda na história nada mais representa que a arrogância e o fictício senso de autossuficiência do ser humano em detrimento à sua espiritualidade.

Serve ainda para lembrar que, para vivermos bem devemos saber viver em sociedade, pois precisamos uns dos outros, cabe lembrar que é Exú quem transita entre os dois mundos Ayê a terra e Orun o céu, e é por isso que dizemos na Umbanda, “Salve o Povo de Aruanda, sem Exú não se faz nada”, pois são eles nosso meio de comunicação entre estes dois mundos.

RÔGO A EXU Dr. CAVEIRA ou EXÚ SETE CAVEIRA, para enfermidades e dificuldades.

“Estou enfermo*, Senhor, preciso de sua ajuda verdadeira como Exu ou como doutor. Sei que sofreu muito em vida, sofreu pelos caminhos que passou da forte poeira ástrica somente osso lhe restou, mas é neste momento de muita dor e aflição que imploro sua proteção. Cure-me de todos os males, Seu Caveira! Por favor, sei que na sua morada não tem cumieira, mas tem uma forte porteira. Sabendo que o sal queima como o fogo, lançarei 7 pedras de sal numa fogueira e certo estarei de ser atendido, na fé de Exu Caveira.”

Faça seu pedido.

*Enfermo entende-se não só por doença física mas também por “doença” da alma do espirito, ou por qualquer mal que lhe cause sofrimento.

Laroye Exú! Exú é Mo jubá!

 

“VIVA CADA DIA MELHOR”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *